Bodas em Caná da Galileia

Bodas em Caná da Galileia

S. João é o único evangelista que narra o primeiro sinal de Jesus, realizado durante aquela celebração em Caná: a pedido de Nossa Senhora, converteu a água em vinho; e também situa nesta povoação da Galileia o segundo milagre de Jesus: a cura do filho de um funcionário real, que estava enfermo em Cafarnaum

Jerusalém: a gruta do Pai Nosso

Jerusalém: a gruta do Pai Nosso

O lugar em que Jesus ensinou o Pai Nosso aos discípulos é um dos sítios de que apenas recebemos notícias através das tradições locais difundidas pelos cristãos da Terra Santa de geração em geração. S. Mateus inclui-o no Sermão da Montanha, enquanto é apresentado por S. Lucas (Lc 11, 1) algures na subida do Senhor para Jerusalém.

Jerusalém: o Santo Sepulcro

Jerusalém: o Santo Sepulcro

Na Terra Santa existem muitos lugares que conservam vestígios da passagem do Senhor, e foram venerados ao longo dos séculos com toda a justiça. Contudo, nenhum se compara ao Sepulcro, o local preciso onde se deu o acontecimento central da nossa fé.

Jerusalém: O Calvário

Jerusalém: O Calvário

A nona estação da Via Dolorosa tinha-nos deixado muito perto do Calvário. Até esse momento, tínhamos acompanhado Jesus com a Cruz às costas por um itinerário que nos foi transmitido pela piedade secular do povo cristão. Agora encontramo-nos perante o lugar central da nossa fé, que poderíamos considerar o mais sagrado da Terra Santa: o sítio onde Jesus Cristo foi crucificado, morto e sepultado, e ao terceiro dia ressuscitou dos mortos.

São Pedro in Gallicantu

São Pedro in Gallicantu

"E, enquanto ainda falava, o galo cantou. Então o Senhor se voltou e olhou para Pedro. E Pedro lembrou-se da palavra que o Senhor lhe tinha dito: “Hoje, antes que o galo cante, três vezes me negarás”. Então Pedro saiu do pátio e pôs-se a chorar amargamente". (Lc 22, 60-62).

Jerusalém: Via Dolorosa

Jerusalém: Via Dolorosa

Ao longo dos séculos, multidões de cristãos contemplaram a morte redentora de Jesus na cruz e a Sua ressurreição: o mistério pascal, que está no centro da nossa fé. Com a passagem do tempo, a meditação daqueles fatos originou algumas devoções. Entre elas está a prática da via sacra.

Getsêmani : oração e agonia de Jesus

Getsêmani : oração e agonia de Jesus

Os relatos evangélicos transmitiram-nos a situação do local para onde Jesus se retirou uma vez terminada a Última Ceia: saindo então, foi, como de costume, para o monte das Oliveiras (Lc 22, 39), para o outro lado da torrente do Cédron (Jo 18, 1), e chegou com os Apóstolos a um lugar chamado Getsémani (Mt 26, 36; Mc 14, 32). Segundo estas indicações, tratava-se de um horto onde havia uma prensa para extrair azeite – é esse o significado do nome -, e ficava fora das muralhas de Jerusalém, a este da cidade

Jerusalém: na intimidade do Cenáculo

Jerusalém: na intimidade do Cenáculo

Antes da festa da Páscoa, sabendo Jesus que tinha chegado a sua hora, hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim.​ (Jo 13, 1). Estas palavras solenes de São João, que são familiares aos nossos ouvidos, introduzem-nos na intimidade do Cenáculo.

Belém: Campo dos pastores

Belém: Campo dos pastores

Nesta região, Davi apascentava o gado de seu pai quando foi ungido por Samuel e, três gerações antes, a sua bisavó Rute respigava os campos de trigo e cevada atrás dos ceifeiros em Booz. Séculos mais tarde, quando chegou o momento da vinda do Filho de Deus à terra, ali teve lugar o primeiro anúncio do nascimento de Jesus.

Uma aldeia chamada Emaús

Uma aldeia chamada Emaús

A ressurreição de Cristo é um fato que os evangelhos afirmam de modo claro, com a narração de diversos encontros com Jesus. São Lucas descreve com detalhes comovedores o encontro de Jesus com os discípulos de Emaús