Evangelho de domingo: os horizontes de Deus

Comentário do XXIV domingo do tempo comum (Ciclo B). “E vós, quem dizeis que Eu sou?”. Quando cuidamos a oração e o diálogo habitual com o Senhor, as pupilas dilatam-se-nos e aumenta o nosso campo de visão, a nossa compreensão das coisas adquire novas perspetivas e conseguimos vislumbrar horizontes insuspeitados: os horizontes de Deus.

Opus Dei - Evangelho de domingo: os horizontes de Deus

Evangelho (Mc 8,27-35)

Jesus partiu com os seus discípulos para as povoações de Cesareia de Filipe. No caminho, fez-lhes esta pergunta: «Quem dizem os homens que Eu sou?». Eles responderam: «Uns dizem João Batista; outros, Elias; e outros, um dos profetas». Jesus então perguntou-lhes: «E vós, quem dizeis que Eu sou?». Pedro tomou a palavra e respondeu: «Tu és o Messias». Ordenou-lhes então severamente que não falassem d’Ele a ninguém. Depois, começou a ensinar-lhes que o Filho do homem tinha de sofrer muito, de ser rejeitado pelos anciãos, pelos sumos sacerdotes e pelos escribas; de ser morto e ressuscitar três dias depois. E Jesus dizia-lhes claramente estas coisas. Então, Pedro tomou-O à parte e começou a contestá-l’O. Mas Jesus, voltando-Se e olhando para os discípulos, repreendeu Pedro, dizendo: «Vai-te, Satanás, porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens». E, chamando a multidão com os seus discípulos, disse-lhes: «Se alguém quiser seguir-Me, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-Me. Na verdade, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a vida, por causa de Mim e do Evangelho, salvá-la-á».


Comentário

Jesus percorria grandes distâncias a pé com os seus discípulos para levar o Evangelho a todos os lugares. No passo deste domingo, encontramo-l´O uns 60 quilómetros a norte de Cafarnaum, na famosa Cesareia de Filipe, cidade rica em vegetação e água, que Herodes fundou em honra de César Augusto e entregou ao seu filho Filipe. Foi esta cidade e as aldeias circundantes que de certo modo provocaram a pergunta de Jesus sobre a sua própria identidade: “Quem dizem os homens que Eu sou?” (v. 27).

Perante as explicações inadequadas das gentes, Pedro é o único que sabe dar a resposta mais de acordo com o mistério da Pessoa de Jesus: “ Tu és o Messias” (v. 29). Contudo, Pedro entende a seu modo esta verdade e, no fundo, nos seus juízos, é tão humano como os outros, porque quando Jesus anuncia os seus padecimentos, Simão rejeita-os com violência.

Pedro deve ter sido tão veemente no seu afeto mal orientado que mereceu de Jesus uma advertência rotunda e grave: “Vai-te, Satanás, porque não compreendes as coisas de Deus, mas só as dos homens ” (v. 33).

Para sermos bons cristãos e não contristar o Senhor, precisamos de visão sobrenatural, ou seja, da capacidade de ver as coisas e as pessoas como o próprio Deus as vê. E isto nem sempre é fácil. Sobretudo, quando se trata de admitir a cruz e o que nos faz sofrer como parte dos planos de Deus.

O próprio Deus nos adverte desta dificuldade: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor.
Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55,8-9).

O perigo da mentalidade demasiado humana, que atacava Pedro e que nos espreita a todos, era descrito pelo Papa Francisco na sua primeira homilia depois de eleito: “Este Evangelho continua com uma situação especial. O próprio Pedro que confessou Jesus Cristo com estas palavras: Tu és Cristo, o Filho de Deus vivo, diz-lhe: Eu sigo-Te, mas de Cruz não se fala. Isso não vem a propósito. Sigo-Te com outras possibilidades, sem a Cruz. Quando caminhamos sem a Cruz, edificamos sem a Cruz ou confessamos um Cristo sem Cruz, não somos discípulos do Senhor: somos mundanos, somos bispos, padres, cardeais, papas, mas não discípulos do Senhor”.

E o Papa concluía: “Eu queria que, depois destes dias de graça, todos nós tivéssemos a coragem, sim a coragem, de caminhar na presença do Senhor, com a Cruz do Senhor; de edificar a Igreja sobre o sangue do Senhor, que é derramado na Cruz; e de confessar como nossa única glória Cristo Crucificado. E assim a Igreja vai para diante”[1].

Como escrevia S. Josemaria, “as pessoas, geralmente, têm uma visão plana, pegada à terra, de duas dimensões. — Quando a tua vida for sobrenatural, obterás de Deus a terceira dimensão: a altura. E, com ela, o relevo, o peso e o volume”[2].

Quando cuidamos a oração e o diálogo habitual com o Senhor, quando reservamos um tempo fixo para conversar a sós com Deus, adquirimos visão sobrenatural: as pupilas dilatam-se-nos e aumenta o nosso campo de visão, a nossa compreensão das coisas adquire novas perspetivas e conseguimos vislumbrar horizontes insuspeitados: os horizontes de Deus.


[1] Papa Francisco, Homilia, 14 de março de 2013

[2] S. Josemaria, Caminho, n. 279.