Evangelho de sábado: o servo não é mais que o seu senhor

“Recordai-vos das palavras que vos disse: o servo não é mais que o seu senhor”. Nestes dias santos, contemplamos o Senhor, que se faz servo dos homens e sentimo-nos impulsionados a segui-Lo incondicionalmente, sem medo da Cruz, participando do seu amor por toda a humanidade.

Opus Dei - Evangelho de sábado: o servo não é mais que o seu senhor

Evangelho (Jo 15,18-21)

Naquele tempo, Jesus disse aos seus discípulos:

- Se o mundo vos odeia, reparai que, antes que a vós, me odiou a mim. Se viésseis do mundo, o mundo amaria o que é seu; mas, como não vindes do mundo, pois fui Eu que vos escolhi do meio do mundo, por isso é que o mundo vos odeia. Lembrai-vos da palavra que vos disse: o servo não é mais que o seu senhor. Se me perseguiram a mim, também vos hão de perseguir a vós. Se cumpriram a minha palavra, também hão de cumprir a vossa.

Mas tudo isto vos farão por causa de mim, porque não reconhecem aquele que me enviou.


Comentário

Durante estes dias escutámos Jesus a instruir os seus discípulos sobre o mandato do amor fraterno: eles devem seguir o exemplo que lhes deu, exemplo que servirá para que o mundo conheça e acolha Jesus e à sua mensagem de salvação. Mas também os adverte de uma força contrária a esse amor, o ódio, presente no mundo. Jesus foi alvo desse ódio, e os seus discípulos também o serão. Mas não devem estranhar nem amedrontar-se. A perseguição não é sinal de maldição nem motivo para claudicar, antes pelo contrário. O Mestre já lhes tinha dito: “Felizes sereis, quando vos insultarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o género de calúnias contra vós, por minha causa. Exultai e alegrai-vos, porque grande será a vossa recompensa no Céu” (Mt 5, 11-12).

O mundo, criado bom pelas mãos amorosas de Deus, sofreu a influência do maligno e dos nossos pecados e parece condenado ao abismo. Mas acima de tudo está a doutrina salvadora de Cristo: se os discípulos a proclamarem fielmente, o mundo abandonará o caminho do ódio ao seu Criador e salvar-se-á. Enchem-nos de esperança as palavras de Jesus a Nicodemos: “Tanto amou Deus o mundo, que lhe entregou o seu Filho Unigénito, a fim de que todo o que n´Ele crê não se perca, mas tenha a vida eterna. De facto, Deus não enviou o seu Filho ao mundo para condenar o mundo, mas para que o mundo seja salvo por Ele” (Jo 3,16-17).

Certamente, como escrevia S. Josemaria, o "non serviam" - não servirei! - de Satanás tem sido demasiado fecundo. - Não sentes o impulso generoso de dizer todos os dias, com vontade de oração e de obras, um "serviam" - servir-Te-ei, ser-Te-ei fiel! - que vença em fecundidade aquele clamor de rebeldia?”[i]. Jesus convida-nos a ser suas testemunhas no meio do mundo, firmes na fé, na esperança e no amor. E se em algum momento experimentarmos a rejeição à mensagem do Evangelho, recordemos as palavras do Mestre: "o servo não é mais que o seu senhor", e a sua firme promessa: “Ao que sair vencedor, dar-lhe-ei a comer da árvore da Vida que está no Paraíso de Deus” (Ap 2,7).



[i] S. Josemaria, Caminho, 413