8 de setembro: Natividade de Nossa Senhora

Evangelho da festa da Natividade de Nossa Senhora e respetivo comentário.

Opus Dei - 8 de setembro: Natividade de Nossa Senhora

Evangelho (Mt 1,18-23) (forma breve)

O nascimento de Jesus Cristo foi assim: Maria, sua mãe, estava desposada com José; antes de coabitarem, notou-se que tinha concebido pelo poder do Espírito Santo. José, seu esposo, que era um homem justo e não queria difamá-la, resolveu deixá-la secretamente. Andando ele a pensar nisto, eis que o anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: «José, filho de David, não temas receber Maria, tua esposa, pois o que ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados.»
2Tudo isto aconteceu para se cumprir o que o Senhor tinha dito pelo profeta: Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho; e hão de chamá-lo Emanuel, que quer dizer: Deus connosco.


Comentário

A chegada de um novo ser humano ao mundo é sempre um sinal de esperança. Os pais – e, em geral, toda a família – muitas vezes sonham como se vai desenrolar a vida dos seus filhos, quais serão os talentos que Deus lhe dará, como a sua história será tecida ao longo dos anos. Assim, é fácil imaginar como o nascimento de Santa Maria também teria enchido os corações de S. Joaquim e Santa Ana de esperança, e como teriam feito planos para o futuro da sua filha. No entanto, uma novidade estaria presente na vida de Nossa Senhora que vai muito para além do que estes santos poderiam ter previsto. Uma novidade que surpreende Nossa Senhora no momento da Anunciação (cf. Lc 1,29) e que causa espanto em S. José, como vemos no Evangelho da Missa de hoje.

Nossa Senhora nasceu para cumprir as promessas de Deus ao seu povo: “Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho.; E hão de chamá-lo Emanuel, que quer dizer: Deus connosco” (v. 23). Mas estas promessas são cumpridas de forma inesperada, porque ela concebe mantendo o dom da virgindade. O Espírito Santo faz algo grande na vida de Santa Maria, Ele torna-a Mãe de Deus, e assim ela passa a ser um sinal de esperança não só para o povo de Israel, mas para todos os homens.

A vida de Nossa Senhora é um grande presente para a humanidade. Fala-nos de como o Senhor responde aos nossos anseios mais profundos e ao mesmo tempo coloca-os num novo horizonte. Grande seria a alegria de S. José quando o anjo lhe disse para receber Nossa Senhora: era algo que ele certamente desejava de todo o coração, mas ao qual estava disposto a renunciar, pois pensava que desta forma estaria mais de acordo com o plano de Deus (v. 18-19). No entanto, S. José recebeu algo ainda maior do que ele sonhava, porque o seu casamento com Santa Maria tornou-se parte dos planos de Salvação. Embarcou numa aventura divina, na qual, junto com muitas alegrias, não faltaram obstáculos: o nascimento numa gruta, a perseguição de Herodes, ter que recomeçar o trabalho em diferentes lugares...

Como S. José, também nós somos chamados a deixar Nossa Senhora entrar nas nossas vidas e a abrir-nos a uma nova esperança, que supera os nossos sonhos e não nos dececiona.