Evangelho de quinta-feira: a luta do cristão

Evangelho de 5ª feira da 2ª semana do Advento e comentário. “Desde os dias de João Batista até agora, o reino dos Céus sofre violência”. Seguir Jesus, pisar onde Ele pisou, ser discípulo de Cristo e viver conforme os seus ensinamentos, exige esforço. Esta luta e este esforço, longe de nos entristecer, encher-nos-ão de paz e de alegria porque nos ajudarão a estar mais próximos de Deus.

Evangelho (Mt 11, 11-15)

Disse Jesus à multidão: «Em verdade vos digo que, entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior do que João Baptista. Mas o mais pequeno no reino dos Céus é maior do que ele. Desde os dias de João Baptista até agora, o reino dos Céus sofre violência e são os violentos que se apoderam dele. Porque todos os profetas e a Lei profetizaram até João. É ele, se quiserdes compreender, o Elias que estava para vir. Quem tem ouvidos oiça».


Comentário

As palavras de Jesus que a Igreja nos propõe no Evangelho de hoje falam-nos de João Batista, do qual o Senhor afirma ser um profeta e mais do que um profeta, porque “entre os nascidos de mulher, não apareceu ninguém maior” do que ele.

Trata-se de um grande elogio a João, que é maior do que os grandes profetas e reis de Israel porque “todos os profetas e a Lei profetizaram até João”.

Este Reino desde João “sofre violência”; o próprio Batista está preso por ter dado testemunho da verdade. E essa realidade mantém-se até ao dia de hoje. Seguir Jesus, pisar onde Ele pisou, ser discípulo de Cristo e viver conforme os seus ensinamentos, exige esforço.

O Senhor, quando nos convida a segui-lo, avisa-nos: “Se alguém quiser vir comigo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me1[1]. Como nos recorda S. Josemaria, “essa força não se manifesta na violência contra os outros; é fortaleza para combater as próprias debilidades e misérias, valentia para não mascarar as nossas infidelidades, audácia para confessar a fé, mesmo quando o ambiente é contrário”[2]. Esta luta e este esforço, longe de nos entristecer, encher-nos-ão de paz e de alegria porque nos ajudarão a estar mais próximos de Deus.


[1] Mt 16, 24.

[2] São Josemaria Escrivá, É Cristo que passa, n. 82

Sebastián Puyal // IPGGutenbergUKLtd Getty Images