Evangelho de segunda-feira: boas notícias!

Comentário ao Evangelho de segunda-feira da I semana do Tempo Comum. «Jesus partiu para a Galileia e começou a proclamar o Evangelho de Deus». Habituámo-nos a estas palavras, mas talvez valha a pena parar, por um momento, para as ouvir de novo com toda a sua força: o Filho de Deus fez-se homem para nos comunicar pessoalmente boas notícias.

Evangelho (Mc 1, 14-20)

Depois de João ter sido preso, Jesus partiu para a Galileia e começou a proclamar o Evangelho de Deus, dizendo: «Cumpriu-se o tempo e está próximo o reino de Deus. Arrependei-vos e acreditai no Evangelho».

Caminhando junto ao mar da Galileia, viu Simão e seu irmão André, que lançavam as redes ao mar, porque eram pescadores.

Disse-lhes Jesus: «Vinde comigo e farei de vós pescadores de homens». Eles deixaram logo as redes e seguiram-n’O.

Um pouco mais adiante, viu Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João, que estavam no barco a consertar as redes; e chamou-os. Eles deixaram logo seu pai Zebedeu no barco com os assalariados e seguiram Jesus.


Comentário

No primeiro capítulo, o evangelista Marcos diz-nos que Jesus começa a sua vida pública com a pregação do Evangelho de Deus. Podemos estar habituados a estas palavras, mas vale a pena parar, por um momento, para as ouvir de novo com toda a sua força: Jesus veio trazer, pessoalmente, boas notícias aos homens e mulheres que estão dispostos a ouvi-Lo com fé.

Nas páginas do Evangelho, iremos descobrindo, pouco a pouco, em que consistem estas boas notícias, mas o Senhor deixa claro, desde o início, que para as ouvir é necessária a vontade de mudar o que não está de acordo com a sua mensagem, converter-se e abrir os ouvidos do coração.

No trecho de hoje, lemos que o evangelho se refere a um Deus que é rei e que quer reinar na terra. Esta mensagem corre certamente o risco de ser mal interpretada, pois o seu reinado é diferente, não é como os reinos da terra. Juntamente com os apóstolos, aprenderemos que Deus não quer basear o Seu poder no controlo, nem na força, mas no serviço e no amor ao próximo.

Tal como aos apóstolos, o Senhor continua a chamar cada um de nós a participar na divulgação do Evangelho e ao mesmo tempo interroga-nos: “Estou ou não a viver a minha fé como uma boa notícia?” Talvez seja esta uma boa oportunidade para conhecer melhor o significado mais profundo da mensagem de Jesus e poder assim experimentar, com força renovada, a alegria de tão boas notícias.

Martín Luque // mercedeslorenzo - Getty Images