Evangelho de terça-feira: não vos alarmeis

Evangelho de 3ª feira da 34ª semana do Tempo Comum e respetivo comentário.

Evangelho (Lc 21,5-11)

Comentavam alguns que o templo estava ornado com belas pedras e piedosas ofertas. Jesus disse-lhes: «Dias virão em que, de tudo o que estais a ver, não ficará pedra sobre pedra: tudo será destruído». Eles perguntaram-Lhe: «Mestre, quando sucederá isto? Que sinal haverá de que está para acontecer?». Jesus respondeu: «Tende cuidado; não vos deixeis enganar, pois muitos virão em meu nome e dirão: ‘Sou eu’; e ainda: ‘O tempo está próximo’. Não os sigais. Quando ouvirdes falar de guerras e revoltas, não vos alarmeis: é preciso que estas coisas aconteçam primeiro, mas não será logo o fim». Disse-lhes ainda: «Há-de erguer-se povo contra povo e reino contra reino. Haverá grandes terramotos e, em diversos lugares, fomes e epidemias. Haverá fenómenos espantosos e grandes sinais no céu».


Comentário

Estamos nos últimos dias do ano litúrgico e é tempo para escutar as palavras de Jesus sobre o fim dos tempos. Não nos vai revelar aquilo que talvez muitos quisessem saber: quando será?; mas o Mestre, que sempre nos pede confiança na sua palavra, não quer deixar-nos na total ignorância acerca do fim.

Ele encontrava-se diante do Templo e aqueles que o acompanhavam maravilhavam-se pelo seu esplendor. Esse Templo, destruído uma vez pelo exército babilónico e levantado novamente após o exílio, tinha sido ampliado e embelezado por iniciativa de Herodes o Grande.

No entanto, Jesus avisa-os de que será destruído definitivamente. Assim sucedeu no ano 70 pela mão do exército romano de Tito. Uma profecia tão alarmante causou preocupação aos ouvintes: queriam conhecer os indícios de semelhante desgraça. Mas Jesus muda o seu discurso: maiores cataclismos estão por acontecer. E haverá quem aproveite a chegada desses desastres para proclamar falsos messianismos, anúncios de um fim imediato.

Um olhar sobre a história confirma as palavras de Jesus: quantas guerras, quantas calamidades, quanto sofrimento! Apesar de tudo, Jesus, com a sua divina autoridade, quer dar-nos segurança, fortaleza. São sinais aterradores mas não para um cristão porque “sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus” (cf. Rm 8,28). Também cada um, no seu próprio momento presente, pode achar tudo difícil mas a palavra de Deus, Jesus, está sempre perto para nos apoiar.

Por isso, diz-nos S. Josemaria: “Parece que o mundo te cai em cima. À tua volta não se vislumbra uma saída. Desta vez, é impossível superar as dificuldades. Mas, tornaste a esquecer que Deus é teu Pai?: omnipotente, infinitamente sábio, misericordioso. Ele não pode enviar-te nada mau. Isso que te preocupa, convém-te, ainda que os teus olhos de carne estejam agora cegos. –Omnia in bonum" [1].


[1] S. Josemaria, Via Sacra, 9ª estação, n. 4.

Josep Boira // Ajith S - Unsplash