Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael

No dia 29 de setembro celebramos a festa dos Santos Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael. Recordamos a história de como S. Josemaría os escolheu como padroeiros do Opus Dei.

S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael

Na liturgia atual, o dia 29 de setembro é dedicado aos três Arcanjos de que a Bíblia nos refere os nomes: Miguel (Ap 12, 7; Ap 12-19), Gabriel (Lc 1, 19) e Rafael (Tb 12, 15). Antes da reforma litúrgica que se seguiu ao Concílio Vaticano II, cada um tinha o seu dia próprio: S. Miguel, de devoção mais antiga na Igreja latina e na bizantina, nesta mesma data; S. Gabriel em 24 de março, véspera da Anunciação a Nossa Senhora, na Igreja latina; e S. Rafael, em 24 de outubro, de introdução no século XX. Nos três casos, o seu nome termina com “El”, que significa Deus. A sua principal tarefa é estar na presença de Deus, refletindo a sua luz e o fogo do seu amor. São também «espíritos ao serviço de Deus, que lhes confia missões para o bem daqueles que devem herdar a salvação» (Heb 1, 14). De acordo com a respetiva missão consignada a cada um e descrita na Escritura, os seus nomes próprios estão também carregados de significado:

Miguel ("Quem como Deus?") é o Anjo que tomou o partido de Deus e por isso também o defensor da Igreja; cada anjo teve que decidir-se se queria servir Cristo, o Verbo encarnado, e os seres humanos, para conduzi-los no caminho da salvação. No livro do Apocalipse lemos: «Houve então um combate no Céu: Miguel e os seus anjos combateram contra o dragão. Também o dragão combateu, junto com seus anjos, mas não conseguiu vencer e não se encontrou mais lugar para eles no Céu» (Ap 12, 7-8). Uma vez que Lúcifer e os seus anjos se revoltaram contra Deus, o Arcanjo Miguel lançou o grito de guerra: “Quem como Deus?” como dizendo: Ninguém é como Deus. Mesmo se Deus se fizer homem, queremos servir a Deus. Assim S. Miguel (…) é o Anjo da humildade que nos ajuda na luta contra a soberba e como Anjo da fé nos fortalece em meio às provações. Deus fê-lo príncipe da milícia celeste e protetor da Igreja. Invoquemo-lo muitas vezes no combate contra os poderes infernais rezando a oração: “S. Miguel Arcanjo, defendei-nos neste combate, …”[1].

Gabriel (Deus é a minha força) fora já mencionado pelo profeta Daniel unido à futura Redenção (Dn 9, 21-22) anunciou a Zacarias o nascimento do Precursor e a Maria que seria a Mãe de Deus (Lc 1, 19); é visto como o embaixador por excelência e daí também padroeiro das comunicações;

Rafael (Medicina de Deus) é o companheiro de viagem, o que cura e protege dos perigos, pelo papel descrito no livro de Tobite, junto de Tobias filho e de Sara.

O prefixo arch- (Archangelus) significa principal; unido à palavra anjo (enviado, mensageiro) reforça a ideia de que cada um deles será incumbido por Deus de missões mais importantes junto dos homens, sendo reservadas aos anjos outras mais comuns, como a permanência de um deles junto de cada ser humano, para o guardar (o Anjo da Guarda)[2].

S. João Paulo II, que dedicou várias audiências em 1986 aos Anjos, no comentário ao Credo, aconselhou a sentir os três Arcanjos como amigos e protetores e a invocá-lo com confiança e frequência. É o poder de Deus, criador que glorificamos ao contar com os Anjos, em particular durante a Missa, em que a Terra e o Céu se unem.

Não os adoramos. Recorremos à sua intercessão. «Reconheçamos, principalmente que a Providência, como amorosa Sabedoria de Deus, se manifestou precisamente ao criar seres puramente espirituais, por quem se exprime melhor a semelhança de Deus neles, que supera em muito tudo o que foi criado no mundo visível juntamente com o homem, também ele indelével imagem de Deus. Deus, Espírito absolutamente perfeito, é refletido sobretudo pelos seres espirituais que, por natureza, ou seja, por causa da sua espiritualidade, estão muito mais perto d´Ele do que as criaturas materiais e que constituem quase o "ambiente" mais próximo do Criador. A Sagrada Escritura apresenta um testemunho bastante explícito desta máxima proximidade de Deus que os Anjos têm ao falar, em linguagem figurada, do "trono" de Deus, dos seus "exércitos", do seu "céu". Inspirou a poesia e a arte dos séculos cristãos que nos apresentam os anjos como a "corte de Dios»[3].

Atualmente, os movimentos religiosos ligados à New Age recorrem aos nomes de vários dos Anjos mencionados nos Evangelhos apócrifos e cultivam uma relação com eles muito diferente da que é praticada pela Igreja católica.

Há notícia de que no Oriente cristão, havia templos dedicados a S. Miguel, desde os tempos constantinianos. Na igreja latina, há testemunhos de que no século V, na via Salária, já se celebrava em Roma, a 29 de setembro, o aniversário da dedicação de uma basílica em honra do Arcanjo S. Miguel. É também a sua imagem que se avista sobre o Castel Sant’Angelo, comemorando a sua proteção na altura de uma peste em 590.


[1] Esta oração a S. Miguel era rezada no fim de cada Missa até à reforma litúrgica e continua a ser um bom exercício de piedade vivido por muitos cristãos; encontra-se em muitos devocionários.
[2] cf. Catecismo da Igreja Católica, n. 336.
[3] S. João Paulo II, Audiência, 9-VII-1986.


O seguinte texto foi extraído do livro “O Fundador do Opus Dei” de Andrés Vázquez de Prada (Volume I, Capítulo VII)

Na quinta-feira, dia 6 de outubro de 1932, fazendo oração na capela de S. João da Cruz, durante o seu retiro espiritual no Convento dos Carmelitas Descalços de Segóvia, teve a moção interior de invocar pela primeira vez os três Arcanjos e os três Apóstolos; S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael; S. Pedro, S. Paulo e S. João. A partir daquele momento considerou-os Padroeiros dos diferentes campos apostólicos que compõem o Opus Dei.

Sob o patrocínio de S. Rafael estaria o trabalho de formação cristã da juventude; dela sairiam vocações para a Obra, que colocaria sob a invocação de S. Miguel, com o objeto de os formar espiritual e humanamente. Quanto aos pais e mães de família que participassem nas tarefas apostólicas, ou fizessem parte da Obra, teriam por padroeiro S. Gabriel.

Dois dias mais tarde, no sábado, escreve: Rezei as preces da Obra de Deus, invocando os Santos Arcanjos nossos Padroeiros: São Miguel, São Gabriel, São Rafael... E que segurança tenho de que esta tripla chamada, a senhores tão elevados no reino dos céus, há de ser – é – agradabilíssima ao Deus Trino e Uno e há de apressar a hora da Obra!

Noutra “catalina” de 8 de maio de 1931, festa da "aparição de S. Miguel", lê-se: Encomendei a Obra a S. Miguel, o grande batalhador, e penso que me ouviu.


Textos relacionados

🞄 A Obra de S. Rafael (1)

🞄 A Obra de S. Rafael (2)

🞄 29 de setembro: Arcanjos Miguel, Gabriel e Rafael (Comentário ao Evangelho)

🞄 Explicação do momento em que S. Josemaria começou a invocar S. Miguel, S. Gabriel e S. Rafael como patronos da Opus Dei.

🞄 As obras dos Arcanjos (Capítulo de “Huellas en la nieve”, biografia do Fundador do Opus Dei escrita por HELMING, Dennis M.)