2 de novembro: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida”

Evangelho e respetivo comentário do Dia de Todos os Fiéis Defuntos

Evangelho (Jo 14,1-6)

Disse Jesus aos seus discípulos: “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus; crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Se assim não fosse, como teria dito Eu que vos vou preparar um lugar? E quando Eu tiver ido e vos tiver preparado lugar, virei novamente e hei-de levar-vos para junto de mim, a fim de que, onde Eu estou, vós estejais também. E, para onde Eu vou, vós sabeis o caminho.»

Disse-lhe Tomé: «Senhor, não sabemos para onde vais, como podemos nós saber o caminho?» Jesus respondeu-lhe: «Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém pode ir até ao Pai senão por mim”.


Comentário

Depois de termos celebrado ontem a festa dedicada a todas as pessoas que gozam da presença de Deus no Céu, a Igreja convida-nos hoje a rezar de modo especial pelos defuntos.

O Evangelho escolhido transmite uma pequena parte do diálogo de Jesus com os seus Apóstolos, em que a propósito de uma pergunta de Tomé, lhes revela que só através d´Ele se pode chegar ao Pai.

Podemos imaginar a inquietação e incerteza dos Apóstolos perante os acontecimentos que estão a viver. Desde a preparação da ceia nos dias anteriores com as indicações específicas sobre o local da celebração, o seu começo com o lava-pés e o mandamento universal de amar-se e servir-se uns aos outros como fez com eles durante os três anos dos seus ensinamentos. O Mestre manifestou-se de modo especialmente solene e também emotivo. Certamente que se apercebiam de que estavam às portas de algo de grande, talvez esse algo que não acabavam de entender desde que começaram gozosamente a segui-Lo.

É natural que nós, humanos, perante a morte sintamos também alguma inquietação e incerteza. Até medo. É o momento final, aquele para o qual nos preparámos desde sempre e que sabemos que a todos nos chegará um dia. Nesse contexto, Jesus pede que confiemos n´Ele; que acreditemos n´Ele, porque não nos deixará sós nesse momento e nos levará à sua morada celestial. Por isso, Jesus é o Caminho, porque não somos nós a chegar ao céu, mas sim Deus a conduzir-nos a Ele.

Jesus é a Verdade porque nesse transe impressionante da morte, todas as verdades que nos rodeiam se desfazem perante a única Verdade do amor de um Deus que dá a vida pelos seus filhos e que só espera que o acolhamos. Por último, Jesus é também a Vida porque Ele participa desde toda a eternidade da vida divina junto de seu Pai da qual, mediante a sua ressurreição, nos deixou um testemunho inquebrantável a todos os homens.

Pablo Erdozáin // Stevepb 282134 - Pixabay