«A Televisão mudou-me a vida»

Gabriela trabalha numa loja de design de moda em Valência, é casada e tem três filhas. Passou muitos anos longe da fé. Mas um belo dia, há oito anos, encontrou Deus fazendo zapping, em vésperas da Semana Santa.

Para saber como ativar legendas em português, clique aqui.

“Aos 13 anos deixei de praticar a minha fé. Deixei Deus no céu; não me atrevia a olhá-Lo muito, porque assim poderia fazer o que me apetecia; mas como Deus é muito bom, a televisão mudou -me a vida ”. Aconteceu dias antes da Semana Santa. Gabriela estava sozinha em casa. Sentou-seem frente da televisão e ao ligá-la deparou com o início do filme A Paixão.

DEIXEI DEUS NO CÉU; NÃO ME ATREVIA A OLHÁ-LO MUITO, PORQUE ASSIM PODERIA FAZER O QUE ME APETECIA

Enquanto assistia ao filme, “o Senhor mudou o meu coração e a minha mente; fez-me entender quanto me ama, o que fez por mim e aperceber-me de como eu Lhe estava a voltar as costas desde os 13 anos ”, conta. Naquela Semana Santa decidiu confessar-se depois de várias décadas e voltar à missa aos domingos. “Vivi o meu primeiro Domingo de Ramos depois de um longo tempo, com a sensação de voltar a casa e com uma tremenda alegria”, recorda.

Um dos pilares de Gabriela foi a mãe, supranumerária do Opus Dei

Um dos pilares de Gabriela foi a mãe, supranumerária do Opus Dei, “uma pessoa coerente, que me fez ver as coisas às vezes sem dizer nada”, e que sempre permaneceu próxima, também durante o tempo em que vivia longe da fé. “Afastei-me muito e ela sempre teve palavras de compreensão, de apoio e de carinho. Nunca me julgou. Sempre confiou em mim ”, considera.

AFASTEI-ME MUITO E ELA (A MINHA MÃE) SEMPRE TEVE PALAVRAS DE COMPREENSÃO, DE APOIO E DE CARINHO. NUNCA ME JULGOU

Originária de Porto Rico e sem perder uma telenovela, foi precisamente a mãe que mais uma vez influenciou a mudança de Gabriela, novamente através da televisão. “Vimos juntas uma novela sobre o mundo muçulmano, que refletia como os muçulmanos rezam e têm cinco momentos para rezar e olhar para Meca. Perguntava a mim própria se os cristãos também teriam o seu próprio dia ”, recorda.

Depois começou a ler o Evangelho e ficou entusiasmada com a vida de Jesus Cristo

Encontrou a resposta numa Bíblia que a mãe lhe dera. No final do livro, com o título 'A Jornada do Cristão', havia uma lista de orações para diferentes momentos do dia, tais como o Angelus, o oferecimento de obras ou a bênção da mesa, costumes simples que serviram para que Gabriela alinhasse o seu dia de modo cristão.


Gabriela com o marido Depois começou a ler o Evangelho e ficou entusiasmada com a vida de Jesus Cristo. “Só queria encontrar bocadinhos de tempo para continuar a ler; queria conhecer o Senhor e a minha fé desde zero. ”E assim, foi aprofundando pouco a pouco no sentido da liturgia e dos ensinamentos da Igreja, até se convencer de que a fé é uma grande dádiva, da qual fala frequentemente aos amigos e colegas de trabalho.

“O Senhor já me amava quando eu era uma desgraça; ama-nos a todos ao ponto de ser pregado na cruz. Todos valemos todo o Seu sangue. A única diferença é que agora estou consciente desse amor e posso apreciá-lo, posso agradecer e tentar corresponder. O caminho não é fácil, mas vale a pena ”, conclui.