Redescobrir a beleza de testemunhar o Ressuscitado

Dando continuidade ao ciclo de catequeses sobre os Atos dos Apóstolos, o Papa iniciou afirmando que a Ressurreição de Cristo não foi um evento entre outros, mas a fonte da vida nova.

Da Igreja e do Papa

Dando continuidade ao ciclo de catequeses sobre os Atos dos Apóstolos, hoje vemos como os apóstolos buscaram recompor o seu corpo que, após os eventos dolorosos da Paixão do Senhor, ficara reduzido a 11 membros.

Judas Iscariotes, muito embora recebera a grande graça de ser parte do círculo íntimo de Jesus e de participar do seu ministério, num determinado momento isolou-se, apegando-se ao dinheiro e caindo no orgulho ao ponto de preferir a morte à vida.

Os Apóstolos, ao contrário, escolheram a vida e a bênção e, para tal, decidiram eleger alguém para o lugar de Judas. Deveria ser algum discípulo de Jesus desde o Batismo no Jordão até a Ascensão de Jesus ao Céu. Elegeu-se Matias através do discernimento comunitário, ou seja, procurando olhar a realidade com os olhos de Deus segundo a ótica da unidade e comunhão.

Com o Corpo dos 12 reconstituído, vemos como a comunhão é o primeiro testemunho da obra de salvação de Cristo e da ação de Deus na história, na fidelidade às palavras do Senhor: “Nisso todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13, 35).