Retiro mensal de julho em casa em português

Faça uma pausa para fazer um retiro mensal ou recoleção em português. Pode fazê-la on-line ou presencialmente num dos horários que pode ver aqui.

Opus Dei - Retiro mensal de julho em casa em português

Índice

1. Introdução

2. Meditação 1: um coração caldeado pela Palavra

3. Leitura

4. Meditação 2: A paciência ante o mal e as limitações

5. Exame de consciência


1. Introdução: Acolher o dom de Deus e fazê-lo frutificar com a nossa liberdade

Jesus falou-lhes de muitas coisas em parábolas: “o semeador saiu para semear….” (Mt 13, 3)

“O semeador é Jesus. Observamos que, com esta imagem, Ele se apresenta como alguém que não se impõe, mas se propõe; não nos atrai conquistando-nos, mas doando-se: lança a semente. Ele espalha com paciência e generosidade a sua Palavra, que não é uma gaiola nem uma armadilha, mas uma semente que pode dar fruto. E como pode dar fruto? Se a acolhermos.

Por isso, a parábola diz respeito sobretudo a nós: com efeito, ela fala mais do terreno que do semeador. Jesus faz, por assim dizer, uma «radiografia espiritual» do nosso coração, que é o terreno sobre o qual a semente da Palavra cai. O nosso coração, como um terreno, pode ser bom e então a Palavra dá fruto — e muito — mas pode também ser duro, impermeável. Isto acontece quando ouvimos a Palavra, mas ela escorrega, precisamente como numa estrada: não entra. (…)Jesus convida-nos hoje a olhar para dentro de nós: a agradecer pelo nosso terreno bom e a trabalhar nos terrenos que ainda o não são. Perguntemo-nos se o nosso coração está aberto para acolher com fé a semente da Palavra de Deus” (Papa Francisco, Angelus 16/7/17).

Existem também retiros mensais presenciais. Veja neste link as atividades que se organizam em Portugal (de Norte a Sul e Ilhas) o lugar e o horário mais conveniente.


2. Meditação 1. Um coração caldeado pela Palavra: respirar com a Segrada Escritura

Sermos boa terra que acolha o dom da Palavra de Deus que nos é semeada na leitura e meditação do Evangelho, e que deve frutificar no desenvolvimento dos nossos talentos.


3. Leitura espiritual (sugestão de alguns textos):

Opção 1): "Como num filme: Ainda não compreendeis?"
Opção 2): Um Deus que deixa acontecer? O mal e a dor

4. Meditação 2. Parábola do trigo e do joio: a paciência ante o mal e as limitações



5. Exame de consciência

a) Sugerimos que, se possível, repouse o olhar num crucifixo ou numa imagem de Nossa Senhora. Recorde que Deus é Pai e peça ao Espírito Santo que o ilumine.

b) Considere as seguintes perguntas:

  1. «Saiu o semeador a semear. Quando semeava, caíram algumas sementes (…) em boa terra e deram fruto» (Mt 13, 3-8). Confio na força da semente que o Senhor deixou na minha alma? Em que posso ser mais paciente comigo e com os outros, sem desanimar quando parece que os esforços não dão o fruto desejado?
  2. Desejo ser essa terra boa que se deixa transformar pela Palavra de Deus? «O Senhor quer os seus filhos por todos os caminhos honestos da terra, lançando a semente da compreensão, do perdão, da convivência, da caridade, da paz. O que é que tu fazes?» (Forja, n. 373).
  3. Deus deu-nos a todos talentos ou qualidades diferentes e espera que os façamos frutificar. Como agradeço a Nosso Senhor tudo o que me ofereceu e como procuro formas criativas de pôr as minhas qualidades ao Seu serviço, para aproximar as almas de Deus?
  4. Um homem «semeou boa semente no seu campo. Mas (…) veio o inimigo, semeou joio no meio do trigo e foi-se embora» (Mt 13, 24-25). Sei conviver com a imperfeição própria, alheia e das instituições? Peço a Nosso Senhor que isso não me desanime e que saiba vê-la com um olhar compreensivo e sobrenatural?
  5. Perante as dificuldades, procuro recordar com São Paulo que «Deus concorre em tudo para o bem daqueles que O amam» (Rom 8, 28)? Em que aspetos é que pode crescer a minha segurança em que Deus tira bens até das circunstâncias mais difíceis ou negativas?
  6. «Os meus eleitos usufruirão do trabalho das suas mãos. Não trabalharão mais em vão (...) porque serão a descendência abençoada do Senhor (...). Antes que eles me chamem Eu lhes responderei; estando eles ainda a falar, Eu os atenderei» (Is 65, 22-24). Movido pela confiança em Deus, trato de superar os obstáculos que encontro quando tento aproximar alguém do Senhor? Rezo e procuro formas de ajudar essas pessoas?

c) Agradeça a Deus tudo o que lhe sugeriu. Peça-lhe a graça de um arrependimento sincero e ajuda para continuar a lutar. Use palavras próprias, ou diga simplesmente: Obrigado! Perdão! Ajuda-me mais!