Centenário do nascimento de Dora del Hoyo

No dia 11 de janeiro fez cem anos que nasceu Dora del Hoyo, a primeira numerária auxiliar do Opus Dei.

Dora del Hoyo Alonso nasceu no dia 11 de janeiro de 1914 em Boca de Huérgano, uma povoação do norte de Espanha. Filha de agricultores e pertencente a uma família numerosa, aos 26 anos foi para Madrid para trabalhar no serviço doméstico e, como tal, foi contratada em 1945 para a residência de estudantes “La Moncloa”, que tinha sido pouco tempo antes posta em funcionamento por São Josemaría Escrivá.

Em 14 de março de 1946, pediu a admissão no Opus Dei para, através do seu trabalho, difundir em todos os ambientes a chamada universal à santidade, que São Josemaria pregava. Foi a primeira numerária auxiliar.

Em 14 de março de 1946, pediu a admissão no Opus Dei para, através do seu trabalho, difundir em todos os ambientes a chamada universal à santidade, que São Josemaria pregava. Foi a primeira numerária auxiliar.

Meses mais tarde, a 27 de dezembro do mesmo ano, São Josemaria propôs-lhe ir para Roma para apoiar, com outras mulheres, o primeiro centro do Opus Dei, em Roma. Desde então e até à data da sua morte, Dora, com o seu trabalho e a sua fidelidade, foi um apoio para São Josemaria. Trabalhou com abnegação e iniciativa no arranque da sede central do Opus Dei e depois, a partir de 1974, no Colégio Romano da Santa Cruz, onde universitários de todo o mundo recebem formação filosófica e teológica.

Faleceu a 10 de janeiro de 2004. Os seus restos mortais repousam em Santa Maria da Paz, Igreja prelatícia do Opus Dei. Desde essa data, milhares de fiéis da Prelatura e outras pessoas manifestaram de maneira espontânea a influência de Dora nas suas vidas. No testemunho das pessoas que a conheceram salienta-se a sua intensa vida de piedade, a sua fortaleza, a sua caridade com todas as pessoas e o amor a Deus que a movia a trabalhar com alegria. Constam também, por escrito, numerosos favores que se atribuem à sua intercessão.

Em 18 de junho de 2012, D. Javier Echevarría, Prelado do Opus Dei, iniciou em Roma o processo de canonização de Dora del Hoyo. Durante a cerimónia, o Prelado declarou: “O exemplo cristão desta mulher, com a sua fidelidade à vida cristã, contribuirá para manter vivo o ideal do espírito de serviço e para difundir na nossa sociedade a importância da família, autêntica Igreja doméstica, que ela soube encarnar com o seu trabalho diário, generoso e alegre”.