Sábado da 28ª semana do tempo Comum: Acolher o Espírito Santo

Evangelho do sábado da 28ª semana do Tempo Comum e comentário ao evangelho.

Opus Dei - Sábado da 28ª semana do tempo Comum: Acolher o Espírito Santo

Evangelho (Lc 12, 8-12)

Todo aquele que der testemunho de mim diante dos homens, o Filho do Homem também dará testemunho dele diante dos anjos de Deus. 9Mas aquele que me renegar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus. Todo aquele que disser alguma coisa contra o Filho do Homem será perdoado. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado.

Quando vos conduzirem diante das sinagogas, magistrados e autoridades, não fiqueis preocupados como ou com que vos defendereis, ou com o que direis. Pois nessa hora o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer.


Comentário

Hoje lemos no Evangelho umas palavras de Jesus que podem suscitar alguns questionamentos em quem as ler: “quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado”.

Essas palavras do Senhor têm uma enorme profundidade e são difíceis de entender. Em qualquer caso, ressaltam a centralidade do Espírito Santo. Como o Catecismo da Igreja Católica ensina: “o nosso nascimento para a vida divina nos é dado no Espírito Santo”[1].

Acolher o Espírito Santo é acolher a vida. Rejeitar o Espírito Santo é rejeitar a vida. Não é que o Senhor não perdoe, mas é que, quando rejeitamos o Espírito Santo, rejeitamos a salvação.

E, ao acolhermos o Espírito Santo, acolhemos a salvação. Como são João XXIII disse em uma ocasião: “Oh! Cada um dos santos é uma obra-prima da graça do Espírito Santo!”[2]

Procuremos viver o conselho de São Josemaria: “Cultiva o trato com o Espírito Santo - o Grande Desconhecido -, que é quem te há de santificar”[3].

É, como Jesus nos diz, quem nos ensina tudo: “o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer”.

O Paráclito vai nos guiando pela vida para lutarmos por fazer o maior bem que pudermos. Porque, como ensina São Paulo: “o amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rom 5, 5). O seu modo mais habitual de atuar são inspirações que ouvimos na intimidade do coração. Muitas vezes serão coisas pequenas, uma pequena mortificação, o sorriso, acabar bem um trabalho etc. Assim, Ele vai nos dirigindo à realização plena da vida cristã.


[1] Catecismo da Igreja Católica, 694.

[2] João XXIII, Discurso 5/06/1960.

[3] São Josemaria, Caminho 57.