21 de novembro: Apresentação de Nossa Senhora

Evangelho do dia 21 de novembro, memória da Apresentação de Nossa Senhora e comentário ao evangelho.

Opus Dei - 21 de novembro: Apresentação de Nossa Senhora

Evangelho (Mt 12,46-50)

Enquanto Jesus estava falando às multidões, sua mãe e seus irmãos ficaram do lado de fora, procurando falar com ele.

Alguém disse a Jesus: “Olha! Tua mãe e teus irmãos estão aí fora, e querem falar contigo”.

Jesus perguntou àquele que tinha falado: “Quem é minha mãe, e quem são meus irmãos?”

E, estendendo a mão para os discípulos, Jesus disse: “Eis minha mãe e meus irmãos. Pois todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.


Comentário

A memória litúrgica de hoje relembra uma antiga e piedosa tradição baseada em um relato do apócrifo “Protoevangelho de são Tiago”. Segundo conta esse texto, quando a Virgem Maria era bem pequena, seus pais, São Joaquim e Santa Ana levaram-na ao templo de Jerusalém onde ficaria durante um tempo, em companhia de outras meninas, para ser instruída nas tradições e na piedade de Israel.

Talvez nos surpreenda que a Igreja nos proponha, em um dia especialmente dedicado à Maria, uma passagem do Evangelho onde parece que Jesus a deixa em segundo plano, como pouco agradecido à sua Mãe: “Quem é minha mãe?”.

Mas logo vem a resposta: “Todo aquele que faz a vontade do meu Pai, que está nos céus, esse é meu irmão, minha irmã e minha mãe”. O Senhor consegue entregar-nos o ensinamento mais importante e, ao mesmo tempo, dirigir à Maria o maior elogio que poderia ter lhe feito: fazer a vontade de Deus é a melhor maneira de imitar Jesus Cristo: “Eis que eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade, como no livro está escrito a meu respeito” (Hb 10,7).

Toda a vida do Senhor e de Maria foi um fazer da sua vida o que Deus queria. Daí deriva o convite da Mãe de Jesus aos homens, que é um projeto de vida completo: “Sua mãe disse aos que estavam servindo: ‘Fazei tudo o que ele vos disser!’” (Jo 2,5). E sabemos muito bem o que Deus quer de cada um: “a vontade de Deus é que sejais santos” (1Ts 4,3). Só nos cabe a tarefa de descobrir, dia a dia como, pessoalmente, devemos nos santificar.