5ª feira da 33ª semana do tempo Comum: As lágrimas de Jesus

Evangelho da 5ª feira da 33ª semana do tempo Comum e comentário ao evangelho.

Opus Dei - 5ª feira da 33ª semana do tempo Comum: As lágrimas de Jesus
Evangelho (Lc 19, 41-44)

Quando Jesus se aproximou de Jerusalém e viu a cidade, começou a chorar. E disse: “Se tu também compreendesses hoje o que te pode trazer a paz! Agora, porém, isso está escondido aos teus olhos! Dias virão em que os inimigos farão trincheiras contra ti e te cercarão de todos os lados. Eles esmagarão a ti e a teus filhos. E não deixarão em ti pedra sobre pedra. Porque tu não reconheceste o tempo em que foste visitada”.


Comentário

Jesus chegou a Jerusalém para celebrar a Páscoa com os seus discípulos. Será a última que Ele celebrará nesta terra. São dias de grande intensidade e emoção contida. Ao se aproximar de Betânia, fica um momento no Monte das Oliveiras e contempla a majestade do Templo e as muralhas da Cidade Santa. Jesus chora. Não pode conter a sua dor pela incapacidade dos seus habitantes para reconhecê-Lo.

Isto causa dor no coração de Jesus: a história da infidelidade do seu povo. Jesus chora pelo coração fechado da cidade escolhida, do povo escolhido. Porque não tinha tempo para abrir a porta para Ele: estava muito ocupada e muito satisfeita consigo mesma.

Quando entrarem em Jerusalém, os peregrinos que vão com Jesus se deixarão contagiar pelo entusiasmo e o proclamarão “Filho de Davi”.

Alguns dias mais tarde, Jesus Cristo deixará aquela cidade carregando um lenho. O Rei dos reis e Senhor dos senhores coroado de espinhos, “Era o mais desprezado e abandonado de todos, homem do sofrimento, experimentado na dor, indivíduo de quem a gente desvia o olhar, repelente, dele nem tomamos conhecimento” (Is 53,3).

Este é Jesus, o Deus feito homem que chora por cada um de nós. Porque nós também somos incapazes de reconhecê-Lo como aquele que traz a paz. Porque o nosso coração, muitas vezes ocupado e satisfeito consigo mesmo, está fechado para o Amor.

Jesus chora para aprendermos a chorar com Ele. Ele dá a sua vida, para podermos viver. Para que na sua dor possamos nos refazer todos os dias. Precisamos ter, como nos aconselhava São Josemaria, “Dor de Amor. - Porque Ele é bom. - Porque é teu Amigo, que deu a sua Vida por ti. - Porque tudo o que tens de bom é dEle. - Porque O tens ofendido tanto... Porque te tem perdoado... Ele!... a ti! - Chora, meu filho, de dor de Amor” (Caminho, 436).