Evangelho de terça-feira: viver para servir

Terça-feira da 2ª semana da Quaresma: “o maior dentre vós deve ser aquele que vos serve”. Cristo, ao contrário daqueles escribas e fariseus, vivia o que pregava. Fomentemos no nosso coração uma atitude de serviço que nos leve a viver continuamente entregues aos outros.

Opus Dei - Evangelho de terça-feira: viver para servir

Evangelho (Mt 23,1-12)

Naquele tempo: Jesus falou às multidões e a seus discípulos:

Os mestres da Lei e os fariseus têm autoridade para interpretar a Lei de Moisés. Por isso, deveis fazer e observar tudo o que eles dizem. Mas não imiteis suas ações! Pois eles falam e não praticam. Amarram pesados fardos e os colocam nos ombros dos outros, mas eles mesmos não estão dispostos a movê-los, nem sequer com um dedo.

Fazem todas as suas ações só para serem vistos pelos outros. Eles usam faixas largas, com trechos da Escritura, na testa e nos braços, e põem na roupa longas franjas. Gostam de lugar de honra nos banquetes e dos primeiros lugares nas sinagogas; Gostam de ser cumprimentados nas praças públicas e de serem chamados de Mestre.

Quanto a vós, nunca vos deixeis chamar de Mestre, pois um só é vosso Mestre e todos vós sois irmãos. Na terra, não chameis a ninguém de pai, pois um só é vosso Pai, aquele que está nos céus.

Não deixeis que vos chamem de guias, pois um só é o vosso Guia, Cristo. Pelo contrário, o maior dentre vós deve ser aquele que vos serve. Quem se exaltar será humilhado, e quem se humilhar será exaltado.


Comentário

No Evangelho que a Igreja hoje nos convida a considerar, o Senhor faz uma dura crítica àqueles escribas e fariseus que, em sua atuação, se guiam pela aparência externa das suas ações em vez de viver de acordo com a verdade.

Em certas ocasiões, esta crítica feita pelo Senhor contra os hipócritas constituiu o fundamento para considerar Jesus como um revolucionário frente a práticas desprezíveis de que Ele mesmo se distancia.

Contudo, o Senhor não pretende abolir a Lei ensinada por escribas e fariseus (cf. Mt 5, 17), mas purificá-la e levá-la à sua plenitude. Em contraste com aqueles homens que “falam e não praticam” e “gostam dos primeiros lugares”, Jesus ensina-nos que nós, cristãos, somos chamados a servir e a humilhar-nos. E, ao contrário deles, Jesus não só diz, mas corrobora estas palavras com o seu holocausto na cruz.

O cristão, como bom discípulo de Cristo, tem de procurar o serviço e não a honra. Precisamente esta perspectiva, que se traduz em modo de viver, é a parte realmente revolucionária da mensagem de Cristo. Um discurso que não fica em teoria, mas que se torna vida, porque sabe concretizá-lo nos mil detalhes de cada dia.

Com a sua vida e as suas palavras o Senhor vai nos preparando para acolher o dom iminente da Páscoa. Viver em contínua atitude de serviço e de entrega aos outros é o melhor modo de deixar que a graça entre no nosso coração.