Recolhimento #EmCasa de Julho

Roteiro para fazer o recolhimento mensal em casa. O tema deste mês é “Acolher o dom de Deus”.

Opus Dei - Recolhimento #EmCasa de Julho

Download do material para o recolhimento em PDF

1. Para Começar
2. Meditação: A Parábola do Semeador
3. Leitura
4. Exame de Consciência
5. Meditação: Parábola do joio


1. Para Começar

O recolhimento é uma pausa nas atividades diárias para estar a sós com Deus e considerar como vai a nossa vida cristã.

Neste mês de julho, sugerimos considerar de modo especial duas parábolas de Jesus: a parábola do semeador, e a parábola do joio e do trigo.

Através destas parábolas Jesus sugere que nos perguntemos como acolhemos a palavra de Deus, que espaço lhe damos em nossas vidas.


2. Meditação: A Parábola do Semeador

Diferentes formas de receber a palavra de Deus e a graça divina e de dar fruto (desenvolver as próprias habilidades e talentos). Necessidade de conhecer bem o Evangelho e mostrar a sua beleza aos filhos e amigos. Como preparar a terra boa para a semeadura divina, como colaborar no seu crescimento, como dar mais fruto apostólico. Aprender a ouvir a palavra de Deus: humildade.

O importante é que ao ouvir, você converse pessoalmente com Nosso Senhor e entre em um diálogo com Ele. Se precisar, você pode ir parando o áudio.


3. Leitura

A autoestima cresce à medida que a humildade cresce, porque é a virtude que nos ajuda a conhecer simultaneamente a nossa miséria e a nossa grandeza.

O correto amor a nós mesmos


4. Exame de Consciência

Coloque-se na presença de Deus e considere estas questões com tranquilidade e em silêncio:

1. “Um o semeador saiu a semear. E semeando (...) outras (sementes) caíram em boa terra: deram frutos” (Mt 13, 4-8). Eu confio na força da semente que o Senhor deixou na minha alma? Como posso ser mais paciente comigo e com os outros, sem desanimar quando os esforços parecem não dar os frutos desejados?

2. “O Senhor quer os seus filhos por todos os caminhos honestos da terra, lançando a semente da compreensão, do perdão, da convivência, da caridade, da paz. Tu que fazes?” (Forja, n. 373).

3. Deus deu a todos talentos ou qualidades diferentes e espera que os façamos frutificar. Como agradeço ao Senhor pelo que Ele me deu e como procuro modos criativos de colocar minhas qualidades a seu serviço, de aproximar as almas de Deus?

4. Um homem “tinha semeado boa semente no seu campo. Mas (...) veio o seu inimigo, semeou joio no meio do trigo, e partiu” (Mt 13, 24-25). Sei conviver com as minhas imperfeições, as dos outros e das instituições? Peço ao Senhor que isso não me desanime e que eu saiba ter um olhar compreensivo e sobrenatural?

5. Perante as dificuldades, procuro recordar com São Paulo que “todas as coisas concorrem para o bem daqueles que amam a Deus” (Rm 8, 28)? De que forma poderia aumentar minha confiança em que Deus nos traz sempre bens, mesmo nas circunstâncias mais difíceis ou negativas?

6. “Os meus eleitos gozarão do trabalho de suas mãos. Não trabalharão mais em vão (...) porque serão a raça abençoada pelo Senhor (...). Antes mesmo que me chamem, eu lhes responderei, estarão ainda falando e já serão atendidos” (Is 65, 23-24). Confiando em Deus, procuro superar os obstáculos que encontro ao tentar aproximar alguém do Senhor? Rezo e procuro modos de ajudar essas pessoas?

Ato de contrição


5. Meditação: Parábola do joio

O mistério do bem e do mal: em cada um de nós e no mundo. Paciência e perseverança na luta contra o mal, as limitações, as quedas, os fracassos. Deus tem seus tempos. Paciência no dia a dia com os outros: familiares, colegas. Ficar vigilantes, sem desanimar, convivendo com imperfeições, defeitos e fragilidades nossas e dos outros: a separação do grão e do joio só ocorrerá no fim dos tempos.

O importante é que ao ouvir, você converse pessoalmente com Nosso Senhor e entre em um diálogo com Ele. Se precisar, você pode ir parando o áudio.