Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia

Na Audiência de hoje, o Papa Francisco falou sobre a quinta bem-aventurança, que nos ensina a oferecer misericórdia.

Da Igreja e do Papa

“Felizes os misericordiosos, porque alcançarão misericórdia”. Na quinta Bem-aventurança, a causa e o fruto coincidem: oferece misericórdia e receberás misericórdia. O mesmo aparece na oração do Pai-Nosso: “Perdoai-nos as nossas ofensas, assim como nós perdoamos a quem nos tem ofendido”.

Muitas vezes, porém, não conseguimos perdoar. O que fazer? A reciprocidade da misericórdia mostra que precisamos inverter a perspectiva: não olhar para a ofensa recebida como se fosse uma montanha altíssima, muito difícil de escalar e ultrapassar, mas reconhecermo-nos como devedores de Deus. Mesmo que tenhamos feito o mal, o bem que deveríamos fazer sempre é incompleto.

E disso somos devedores a Deus e aos outros. Pois bem! É precisamente esta nossa pobreza que nos convence a perdoar, sabendo nós que, “a medida que usarmos com os outros, será usada conosco”. Por isso, convém-nos ampliar a medida e perdoar. Temos de nos recordar que precisamos de perdão!

Aqui está o segredo da misericórdia: se perdoarmos, seremos perdoados. A misericórdia não é uma dimensão entre outras da vida cristã, mas está no centro: não há cristianismo sem misericórdia.

Vivemos de misericórdia e não podemos subsistir sem misericórdia. Somos demasiado pobres para ditar condições. Temos de perdoar, porque precisamos ser perdoados.