Eclesiologia Contemporânea é tema de curso de atualização para sacerdotes

Artigo publicado no jornal "O São Paulo", sobre o Curso de Atualização para Sacerdotes de 2019.

Opus Dei - Eclesiologia Contemporânea é tema de curso de atualização para sacerdotesLuciney Martins / O SÃO PAULO

Entre 16 e 19 de julho, mais de 100 presbíteros de 44 dioceses do Brasil se reuniram no Instituto Internacional de Ciências Sociais, em São Paulo, para participar do Curso de Atualização para Sacerdotes, que teve como tema “Eclesiologia Contemporânea: Santidade, Carismas, Reforma”.

Promovido pela Associação Presbíteros, uma organização sem fins lucrativos que visa apoiar a formação de sacerdotes, o curso contou com dois especialistas da área: Padre Miguel de Salis, Professor de Eclesiologia na Pontifícia Universidade da Santa Cruz (Roma) e Consultor
Teológico da Congregação para a Causa dos Santos, e Padre Geraldo Luiz Hackmann, Doutor em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma), ex-membro da Comissão Teológica Internacional, órgão da Santa Sé que auxilia a Congregação para a Doutrina da Fé.
O curso foi desenvolvido a partir de dois grandes aspectos: o primeiro, de reconhecer os fundamentos deste ramo da Teologia, compreendendo todo o desenvolvimento de como a Igreja se entende, de como ela se identifica; e, o segundo, de como esse entendimento se desdobra na vida concreta dos cristãos.

Santidade da Igreja, santidade dos cristãos
Ao abordar o tema da identidade da Igreja, depara-se com sua nota essencial, que é a santidade. Característica recebida de seu próprio Fundador, a santidade da Igreja é algo que “se está por fazer”, conforme disse Padre Miguel de Salis. Ao traçar o percurso histórico sobre a santidade, o Professor destacou a dualidade entre pecado e santidade que a Igreja viveu no passado e vive hodiernamente, explicitando a necessidade de os cristãos expressarem em suas vidas, por meio de sua comunhão com Cristo, a santidade que Ele mesmo comunica aos batizados.
Falando sobre a compreensão atual da missão eclesial, Padre Geraldo Hackmann destacou ser a sinodalidade o modo concreto e peculiar de ser e agir da Igreja: “Na eclesiologia da sinodalidade, encontramos como pano de fundo a eclesiologia de comunhão, em que todos os fiéis são chamados a participar na vida da Igreja, em sua missão e em sua realização”.

“Necessidade de formação permanente”
Dom Odilo Pedro Scherer, Arcebispo Arquidiocesano, realizou o encerramento do evento, numa mesa-redonda com Monsenhor Vicente Ancona, Vigário Regional do Opus Dei para o Brasil. Em seu discurso, o Cardeal congratulou a Associação Presbíteros pela iniciativa em promover a formação permanente dos padres e se alegrou com “a disponibilidade de muitos sacerdotes em realizar sua formação permanente, num tema importante, como a Eclesiologia”. Acrescentou, ainda, que “é necessário encontrar, nos dias de hoje, uma reflexão sóbria, na fidelidade à Doutrina dos Apóstolos, mas que responda aos anseios dos dias atuais, de forma especial, o tema da unidade da Igreja e de sua missão de clarear ao mundo sua missão espiritual”.
Mais ainda, sublinhou o tema da sinodalidade, afirmando que a Arquidiocese de São Paulo está em caminho sinodal, bem como de esse tema ser candente a todo cristão: “A palavra sinodalidade quer expressar não outra coisa que a comunhão e participação que o episcopado já vem pregando; a obra da evangelização não é missão de alguns poucos, mas algo que todo batizado deve realizar, pois receberam o dom da fé, justamente para transmiti-lo”, destacou o Cardeal.