Um burrinho foi o meu trono

"Quando se avizinha o momento da sua Paixão, e quer mostrar de um modo gráfico a sua realeza, Jesus entra triunfalmente em Jerusalém - montado num burrico! Estava escrito que o Messias seria um rei de humildade", escreve São Josemaria.

Opus Dei - Um burrinho foi o meu trono

Quando se avizinha o momento da sua Paixão, e quer mostrar de um modo gráfico a sua realeza, Jesus entra triunfalmente em Jerusalém - montado num burrico! Estava escrito que o Messias seria um rei de humildade: Anunciai à filha de Sião: Eis que o teu rei virá a ti, cheio de mansidão, montado sobre uma jumenta e sobre o potrinho da jumenta, filho daquela que está acostumada ao jugo.

Amigos de Deus, 103

Não sei o que sucede convosco, mas a mim não me humilha ver-me, aos olhos do Senhor, como um burro. Ut iumentum factus sum apud te, como um burrinho estou diante de ti, et ego semper tecum, mas Tu estás sempre comigo. Isto é a presença de Deus. Tenuisti manum dexteram meam. Acostumei-me a dizer-lhe: pegaste-me pela arreata, et in voluntate tua deduxisti me, e fizeste com que cumprisse a tua vontade, fizeste com que fosse fiel à minha vocação: et cum gloria suscepisti me, e depois dar-me-ás um grande abraço.

Tertúlia com São Josemaria, 12-IV-1971

Ecce ego quia vocasti me! Aqui estou porque me chamaste, Ut iumentum! Como um burrinho fiel que não quer afastar-se de ti.

Carta, 15-X-1948, n. 8

Faz o que quiseres

Hoje, na minha oração, confirmei-me no propósito firme de ser Santo. Sei que o conseguirei: não por estar seguro de mim, Jesus, mas por… estar seguro de ti. Depois, considerei que sou um burrinho sarnento. E pedi – peço – ao Senhor que me cure a sarna das minhas misérias com o suave unguento do seu Amor: que o Amor seja um cautério que queime todas as crostas e limpe toda manha da minha alma: que deite fora o montão de lixo que tenho dentro de mim. Depois decidi ser um burrinho, mas não sarnento. Sou o teu burrinho, Jesus, que não tem sarna. Digo-o assim para me limpares, pois não me deixarás mentir… E do teu burrinho, meu Menino Deus, faz o que quiseres, como os meninos travessos da terra, puxa-me pelas orelhas, fala com voz grossa a este burro, faz com que corra a teu bel-prazer… Quero ser o teu burrinho, paciente, trabalhador, fiel… Que o teu burrinho, meu Jesus, domine a sua pobre sensualidade de burro, que não responda com coices à chibata, que leve gostosamente a carga, que o seu pensamento e zurros e as suas obras estejam impregnados de Amor, tudo por Amor!

Apontamentos íntimos, n. 313

Jesus, já que sou o teu burrinho, dá-me a teimosia e a fortaleza do burrinho, para cumprir a tua amável Vontade.

Apontamentos íntimos, n. 596

S. Josemaria durante a sua visita a Fátima em 1972

Senhor, o teu burrinho quer merecer que o chamem o que ama a vontade de Deus.

Apontamentos íntimos, n. 711

Esta manhã, como de costume ao sair de casa, aproximei-me por um momento do sacrário, para me despedir de Jesus dizendo-lhe: Jesus, aqui está o teu burrinho… Vê o que fazes com o teu burrinho… - e entendi imediatamente as suas palavras: “Um burrinho foi o meu trono em Jerusalém”. Foi este o conceito que entendi com toda a clareza.

Apontamentos íntimos, n. 543

Ó Jesus! Ajuda-me, para que o teu burrinho seja amplamente generoso. Obras, obras!

Apontamentos íntimos, n. 606

Minha Mãe, Senhora, tu sabes bem do que preciso. Antes de mais, dor de Amor: Chorar?... Ou sem chorar: mas que doa de verdade, que limpemos bem a alma do burrinho de Jesus. Ut iumentum! Oh! Quero servir de trono para um triunfo maior que o de Jerusalém…, porque não terás Judas, nem jardim das oliveiras, nem noite cerrada… Faremos com que o mundo arda, nas chamas do fogo que vieste trazer à terra!... E a luz da tua verdade, Jesus nosso, iluminará as inteligências, num dia que não terá fim.

Apontamentos íntimos, n. 1741

Burrinho de nora

Bendita perseverança, cheia de fecundidade, a do pobre burrinho de nora! Sempre o mesmo, monotonamente, escondido e desprezado, com o seu passo humilde…, sem querer saber que são os seus suores o aroma da flor, a formosura dos frutos maduros, a fresca sombra das árvores no estio: a louçania do horto inteiro, e o encanto do jardim.

Instrução, 9-I-1935, nn. 220 e 221

Sinto atração por este animal paciente e laborioso, porque o burrinho é rijo e austero, porque é humilde. Mas, principalmente porque trabalha, porque sabe perseverar dia após dia dando voltas à nora, tirando a água que faz florescer a horta. O burrinho conforma-se com tudo, até com as pauladas. Trabalha e trabalha, e basta-lhe um punhado de palha ou de erva.

Carta, 15-X-1948, n. 11

Sinto atração por este animal paciente e laborioso, porque o burrinho é rijo e austero, porque é humilde, mas, principalmente porque trabalha

A vida cristã jamais se reduziu a um entrançado aflitivo de obrigações, que deixa a alma submetida a uma tensão exasperante. Amolda-se às circunstâncias individuais como uma luva à mão, e pede que no exercício das nossas tarefas habituais, nas grandes e nas pequenas, com a oração e a mortificação, não percamos jamais o “ponto de mira” sobrenatural. Pensai que Deus ama apaixonadamente as suas criaturas, e, aliás..., como é que trabalhará o burro se não lhe dão de comer nem dispõe de algum tempo para restaurar as forças, ou se lhe quebram o vigor com excessivas pauladas? O teu corpo é como um burrico - um burrico foi o trono de Deus em Jerusalém - que te leva ao lombo pelas veredas divinas da terra: é preciso dominá-lo para que não se afaste das sendas de Deus, e animá-lo para que o seu trote seja tão alegre e brioso quanto é possível esperar de um jumento.

Amigos de Deus, 137

O cristão pode viver com a segurança de que, se tiver desejos de lutar, Deus o pegará pela mão direita, como se lê na Missa da festa de hoje. Foi Jesus - que entra em Jerusalém montado num pobre jumentinho, o Rei da Paz -, foi Jesus quem o disse: O reino dos céus se alcança à força e são os violentos que o arrebatam. Essa força não se traduz em violência contra os outros: é fortaleza para combater as fraquezas e misérias próprias, valentia para não mascarar as infidelidades pessoais, audácia para confessar a fé, mesmo quando o ambiente é adverso.

É Cristo que passa, 82