Os Verões em Fonz

As férias em Fonz nos meses de Julho e Agosto eram esperadas ansiosamente; levavam malas, baús e todo o tipo de objetos úteis para os meses de Verão.

Opus Dei - Os Verões em Fonz© Paulina Mönckeberg

Os avós paternos de Josemaria, D. José e Dona Constância, tinham as suas raízes em Fonz.

A avó esperava-os, feliz, todos os Verões. Com os braços abertos saía para recebê-los carinhosamente.

- Lola! Pepe! Que alegria!

- Como foi a viagem?

E os pequenos… Como se portaram? Venham, tenho refrescos na geleira!

A avó Constância era muito piedosa e rezava o terço de hora a hora; dela aprendeu Josemaria uma pequena oração que a avó repetia entre terço e terço.

-“Já deram as doze, Jesus não vem. Quem será o ditoso que o detém?”

Ensinou a Josemaria que, ao recebê-lo na Sagrada Comunhão, ele era um menino feliz que tinha Jesus no seu coração.

A Virgem da Dormição

Na paróquia da Assunção venerava-se a Santa Virgem da Dormição. Durante as férias, a 15 de Agosto, celebrava-se a festa da Assunção. Era um grande acontecimento a que assistiam todas as famílias que se encontravam em Fonz e as crianças iam também.

Chon que, além de celebrar o onomástico, festejava também o aniversário, trajava o seu melhor vestido. Meninos e anjinhos partiam felizes para a celebração em honra da Santíssima Virgem. Logo ao entrar, o Anjo relojoeirinho com uma profunda reverência adorava a Jesus sacramentado e saudava os milhares de anjos que faziam guarda a Jesus Cristo no Sacrário.

Todos os anjos do Santuário se fixaram em Josemaria. O Relojoeirinho sorria com ar de importância; sabia que Jesus e Nossa Senhora o estimavam com especial predileção.

Na cerimônia descobriam a Santa Imagem da Dormição que aparecia rodeada de flores. Esta imagem da Virgem adormecida permanecia exposta aos fiéis só durante oito ou dez dias depois da festa; o resto do tempo estava coberta com um véu.

Aquilo impressionava vivamente as crianças, enraizando neles desde muito pequenos uma terna devoção à Dormição da Santíssima Virgem.

Cármen e Josemaria, levando Chon pela mão, aproximavam-se lentamente para contemplar durante um longo momento o rosto adormecido da Virgem, as suas faces levemente rosadas e uma expressão de serena quietude. Então os meninos aproximavam-se para beijar o seu rosto, e Chon com eles.

Do livro “Vida y venturas de un borrico de noria”

© Paulina Mönckeberg, 2004

© Ediciones Palabra, S.A., 2004

Faça o download do episódio aqui.