Livro “Em diálogo com o Senhor”, traz textos inéditos de São Josemaria

Chega nas próximas semanas ao Brasil, pela Editora Quadrante, a primeira edição de “Em diálogo com o Senhor”, compilação de vinte e cinco textos de São Josemaria Escrivá procedentes de sua pregação entre os anos 1954 e 1975.

Opus Dei - Livro “Em diálogo com o Senhor”, traz textos inéditos de São Josemaria

Durante o período, algumas pessoas do Opus Dei se dedicaram a transcrever meditações, homilias e conversas em reuniões familiares, a fim de levá-las à oração pessoal. O próprio São Josemaria revisou as anotações entre os anos de 1967 e 1975 e dispôs que viessem à luz em publicações periódicas voltadas aos seus filhos espirituais. “As palavras do fundador do Opus Dei”, comentava dom Javier Echevarria, seu segundo sucessor, a respeito da obra, “são cálidas, atrativas, com uma linguagem cuidada, seleta, mas natural e sem preciosismos. À semelhança do que afirma a Sagrada Escritura do profeta Elias, eram ‘ardentes como uma tocha’ (Eclo 48, 1)”.

Agora, essas palavras se fazem acessíveis ao público geral pela primeira vez, a fim de que também ele encontre essa ajuda especial para crescer em trato com Deus segundo o espírito tão difundido pelo “santo do cotidiano”.

Confira abaixo alguns trechos da obra:

Oração

Quando fazes oração, meu filho – não me refiro agora a essa oração contínua, que abarca o dia inteiro, mas aos dois tempos que dedicamos exclusivamente a conversar com Deus, bem desligados de todas as coisas externas –, quando começas essa meditação, frequentemente – dependerá de muitas circunstâncias – representas a cena ou o mistério que desejas contemplar; depois, aplicas o entendimento e procuras logo um diálogo cheio de afetos de amor e de dor, de ações de graças e de desejos de melhora. Por esse caminho deves chegar a uma oração de quietude, na qual é o Senhor quem fala, e tu deves escutar o que Deus te disser.

Deus preside à nossa oração, e tu, meu filho, conversas com Ele como se conversa com um irmão, com um amigo, com um pai: cheio de confiança. Dize-lhe: “Senhor, Tu que és toda a Grandeza, toda a Bondade, toda a Misericórdia, sei que Tu me ouves! Por isso me enamoro de Ti, com a rudeza das minhas maneiras, das minhas pobres mãos sujas pelo pó do caminho”. Deste modo, é prazerosa a abnegação, é alegre o que antes talvez humilhasse, e é feliz a vida de entrega. Saber-se tão perto de Deus! Por isso, aconteça o que acontecer, estou firme, seguro contigo, que és a rocha e a fortaleza.

São José

Imaginais como São José amava a Santíssima Virgem e sabia da sua integridade sem mancha? Quanto não sofreria vendo que esperava um filho! Só a revelação de Deus Nosso Senhor, por meio de um Anjo, o tranquilizou. Pensara numa solução prudente: não a desonrar, ir-se embora sem dizer nada. Mas quanta dor! Porque a amava com toda a alma. Imaginais a sua alegria, quando soube que o fruto daquele ventre era obra do Espírito Santo?

Nossa Senhora

Amai Jesus e a sua Mãe Santíssima! Há um ano, enviaram-me uma imagem antiga de marfim, esplêndida, que representa a Santíssima Virgem grávida. Emocionei-me. Comove-me a humildade de Deus, que quer estar encerrado nas entranhas de Maria – como nós no seio da nossa mãe – durante o tempo devido, igual a uma criatura qualquer, porque é perfectus Homo, perfeito homem, sendo também perfectus Deus, perfeito Deus: a Segunda Pessoa da Santíssima Trindade.

Não vos comove esta humildade de Deus? Não vos enche de amor saber que se fez homem e não quis nenhum privilégio? Como Ele, também nós não desejamos privilégios. Queremos ser pessoas normais e comuns; queremos ser cidadãos como os outros. Isto é uma maravilha! Encontramo-nos muito à vontade no lar de Jesus, Maria e José, que passam desapercebidos.

Confissão

Filhos! Amai a confissão auricular! E não somente dos pecados graves, mas também dos pecados leves, e mesmo das faltas. Os sacramentos conferem a graça ex opere operato – pela própria virtude do sacramento –, e também ex opere operantis, conforme as disposições de quem os recebe. A confissão, além de ressuscitar a alma e limpá-la das misérias que tenha cometido – por pensamentos, desejos, palavras ou ações –, produz um aumento da graça, robustece-nos, proporciona-nos mais armas para alcançarmos essa vitória interna, pessoal. Amai o Santo Sacramento da Penitência!

Eucaristia

Vistes uma manifestação mais grandiosa da misericórdia de Nosso Senhor? Deus Criador enche-nos de admiração e agradecimento. Deus Redentor comove-nos. Um Deus que fica na Eucaristia, feito alimento por amor de nós, enche-nos de ânsias de corresponder. Um Deus que vivifica e dá sentido sobrenatural a todas as nossas ações, instalado no centro da nossa alma em graça, é inefável...

A publicação de Em diálogo com o Senhor trará novas luzes sobre o ensinamento do Fundador do Opus Dei.