Descobri o que me faltava

Quando Mané descobriu o Opus Dei na Internet, encontrou a paz e a alegria que tinha perdido. Desde então, procura “converter todos os momentos e circunstâncias da minha vida em ocasião de amar e servir”, como diz a oração de S. Josemaria.

Opus Dei - Descobri o que me faltava

Conheci o Opus Dei há uns seis anos, pesquisando na Internet. Tinha filhos pequenos, muitas noites sem dormir e nessa altura a minha vida era muito complicada. Estava à procura de qualquer coisa que me desse a estabilidade que tinha perdido e, encontrei o Opus Dei. A partir desse momento tenho um guia para a minha vida espiritual e uma alegria profunda que é o que mais me atrai na mensagem de S. Josemaria.

A partir do momento em que li a oração da oração a São Josemaria, comecei a procurar, como nela se diz, “converter todos os momentos e circunstâncias da minha vida em ocasião de amar e servir “. Em primeiro lugar, o meu marido e os meus filhos, depois, todas as pessoas com quem convivo.

Passado algum tempo em contacto com o Opus Dei, uma amiga perguntou-me se gostaria de ser Cooperadora. O mais importante na minha ajuda é a oração.

Também colaboro nos colégios de Lisboa: Mira Rio e Planalto, cuja formação cristã está entregue ao Opus Dei

No Planalto ajudo através da Colaboração Familiar, uma ponte entre o colégio e os pais, promovendo reuniões e encontros entre os pais. O objectivo é que os pais possam estar mais envolvidos no projeto educativo dos filhos.

Espírito de Abertura

Cada vez que recebo a formação cristã que o Opus Dei transmite, reforça-se em mim a ideia de que é essencial para a minha paz interior, e isso repercute-se no meu equilíbrio pessoal, familiar e profissional. Em qualquer trabalho a formação deve ser contínua. Na relação com Deus é muito importante manter um espírito de abertura e aprendizagem permanente. Isto é o que me leva a frequentar os meios de formação: são como um livro permanentemente aberto na mesa de cabeceira e que vou lendo aos poucos.