A Cruz de Cristo

Com a celebração do Domingo de Ramos, começa a Semana Santa. Apresentamos alguns textos do São Josemaria sobre a Cruz de Cristo.

Opus Dei - A Cruz de CristoEl Greco

Sacrifício, sacrifício! — É verdade que seguir a Jesus Cristo — disse-o Ele — é levar a Cruz. Mas não gosto de ouvir as almas que amam o Senhor falarem tanto de cruzes e de renúncias: porque, quando há Amor, o sacrifício é prazeroso — ainda que custe — e a cruz é a Santa Cruz.

—A alma que sabe amar e entregar-se assim, enche-se de alegria e de paz. Então, porque insistir em "sacrifício", como que procurando consolo, se a Cruz de Cristo — que é a tua vida — te faz feliz?

Sulco, 249

A aceitação rendida da Vontade de Deus traz necessariamente a alegria e a paz: a felicidade na Cruz. — Então se vê que o jugo de Cristo é suave e que o seu fardo não é pesado.

Caminho, 758

A Cruz sobre o teu peito?... Está bem. Mas... a Cruz sobre os teus ombros, a Cruz na tua carne, a Cruz na tua inteligência. — Assim viverás por Cristo, com Cristo e em Cristo; só assim serás apóstolo.

Caminho, 929

Não devemos esquecê-lo: em todas as atividades humanas, tem que haver homens e mulheres com a Cruz de Cristo na sua vida e nas suas obras, erguida ao alto, visível, reparadora; símbolo da paz, da alegria; símbolo da Redenção, da unidade do gênero humano, do amor que Deus Pai, Deus Filho e Deus Espírito Santo, a Trindade Santíssima teve e contínua a ter pela humanidade.

Sulco, 985

Quando se caminha por onde Cristo caminha; quando já não há resignação, mas a alma se conforma com a Cruz — se amolda à forma da Cruz —; quando se ama a Vontade de Deus; quando se quer a Cruz..., então, mas só então, é Ele que a leva.

Forja, 770

Sinais inequívocos da verdadeira Cruz de Cristo: a serenidade, um profundo sentimento de paz, um amor disposto a qualquer sacrifício, uma eficácia grande, que brota do próprio Lado aberto de Jesus, e sempre — de modo evidente — a alegria: uma alegria que procede de saber que, quem se entrega de verdade, está junto da Cruz e, por conseguinte, junto de Nosso Senhor.

Forja, 772