Pelo Batismo, somos filhos de Deus para sempre

Na Audiência Geral desta quarta-feira, o Papa Francisco fez sua quinta catequese sobre o Batismo, comentando o seu momento central, a imersão na pia batismal: "o homem velho é sepultado e renasce uma nova criatura".

Da Igreja e do Papa

O momento central do Batismo é o triplo derramamento de água sobre a cabeça da pessoa batizada enquanto o Ministro pronuncia o nome dela e acrescenta: "Eu te batizo em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo". Outrora, em vez do derramamento da água sobre a cabeça, fazia-se uma tripla imersão na piscina batismal, permitindo uma visão mais sugestiva da graça que confere este sacramento: o homem velho com as suas paixões enganadoras é sepultado e renasce uma nova criatura. Este renascimento exige que seja reduzida a pó a criatura velha, corrompida pelo pecado; e a fonte batismal é o lugar onde, com Cristo, se faz a passagem, a Páscoa, da morte do pecado para a vida nova de ressuscitados.

Sobre cada um de nós, o Pai celeste também faz ouvir a sua voz: "Tu és o meu filho muito amado".

Tornamo-nos filhos no Filho Jesus. Também sobre cada um de nós, renascidos pela água e pelo Espírito Santo, o Pai celeste faz ouvir a sua voz: "Tu és o meu filho muito amado". Esta voz paterna é perceptível, não pelos ouvidos, mas pelo coração de quem crê; e acompanha-nos por toda a vida. Renascidos filhos de Deus, somo-lo para sempre. De fato, o Batismo não se repete, porque imprime uma marca espiritual, imprime caráter permanente. Nenhum pecado o pode apagar, embora impeça o Batismo de produzir frutos de salvação. Quais frutos? Explica-os o Ministro do sacramento, quando, imediatamente depois, faz a unção crismal na cabeça da pessoa recém-batizada: "Unjo-te com o crisma da salvação para que, reunida ao seu povo, permaneças eternamente membro de Cristo sacerdote, profeta e rei". Esta é a vocação cristã: viver unidos a Cristo na Santa Igreja, participando da mesma unção para realizar a mesma missão: tornar a vida uma oferta agradável a Deus, prestar-Lhe testemunho com uma vida de fé, esperança e caridade e pôr a vida ao serviço dos outros, como Jesus.

Queridos peregrinos de língua portuguesa, bem-vindos! Saúdo cordialmente os vários grupos paroquiais, os Missionários Redentoristas e a Família Franciscana do Brasil, bem como os membros do Instituto para o Desenvolvimento Social, de Lisboa. Que esta peregrinação fortaleça nos vossos corações o sentir e o viver com a Igreja, perseverando na oração diária do terço. Podereis assim reunir-vos cotidianamente com a Virgem Mãe, aprendendo d'Ela a cooperar plenamente com os desígnios de salvação que Deus tem sobre cada um. O Senhor vos abençoe, a vós e aos vossos entes queridos.